Sem retroceder – a vida de William Borden – parte 2

08/10/2018 12:00:00


Este é o segundo texto de uma série de três. Leia o primeiro texto aqui

Vimos que o nosso jovem milionário, William Borden, viajou pelo mundo, ouviu o chamado para ser um missionário e seguiu convicto disso durante toda a faculdade, disposto a viver sem reservas (“No Reserve”). 

Durante a faculdade, dois fatos marcantes aconteceram na vida de William.  
O primeiro deles foi conferência de estudantes voltada para levar as bênçãos de Jesus para todas as nações. Entre tantas palestras, um irmão que trabalhava no Egito, Samuel Zwemer, discursou sobre os 15 milhões de chineses muçulmanos que não tinham nenhuma testemunha de Cristo entre eles: “Alcançá-los não será uma excursão turística nem um piquenique. Trabalhar com este povo certamente lhe custará a vida!”. 

E foi essa mensagem tão radical que fisgou o coração desprendido de William. Entre seus discípulos, ele sempre dizia: “Se você vir 10 pessoas carregando um tronco de árvore, sendo que 9 delas estão apoiando a parte mais fina do tronco e apenas 1 segurando a parte mais pesada... e você quer ser útil, para qual dos lados você irá?”. Por isso, ele decidiu viver para falar de Jesus aos muçulmanos da China. 

My ImageO segundo fato foi a morte de seu pai. Antes de falecer, o grande empresário de Chicago foi bem rude com seu herdeiro: “Se você não desistir dessa história de viver na China, você nunca vai trabalhar em nenhuma das empresas da família”. Não bastasse a proposta tentadora de herdar todo o império da família, o nosso jovem rico também recebeu inúmeras outras propostas para gerenciar outros impérios. Quem recusa ofertas de emprego promissoras? Quem descarta a possibilidade de herdar empresas? O assédio deve ter sido gigante. Mente e coração devem ter sido abalados...  

Mas William se manteve firme no propósito para o qual Deus o chamara: seguiria para o seminário, se preparando para segurar a parte mais pesada do tronco. 

Ele escreveu, então, uma outra frase em sua bíblia: “No Retreat”, que significa “sem olhar para trás”, “sem retroceder”. O avanço na carreira profissional significaria o retrocesso na vida como um todo. Ele já tinha aceitado a missão que Deus lhe confiara! Aceitar as propostas irresistíveis significaria se transformar em uma estátua de sal. 

E você? Já foi tentado a olhar para trás? A desviar o foco daquilo que Deus já tinha te mostrado?  
E qual parte do tronco você está ajudando a carregar? Ou gostaria de ajudar?
Dos 100 mil universitários envolvidos com o Movimento de Estudantes Voluntários, do qual William fez parte, 20 mil chegaram a campos transculturais. E isso só foi possível com o apoio dos 80 mil que ficaram, comprometidos com a causa de alcançar o mundo todo na geração deles! 

Segure firme na parte do tronco que Deus tem lhe chamado e não olhe para trás. Assim que se comprometer a obedecer a Deus, ofertas e convites surgirão para distrair você. Faça como o William, não olhe para trás. 

-------------------------------------------

Compartilhe esta história com um amigo!