Quando o emocional entra no jogo - Reflexões de uma jovem sobre a vida de William Borden

11/10/2018 12:00:00


Este é o terceiro texto de uma série de artigos reflexivos sobre a vida de William Borden. Leia o primeiro texto de nossa série sobre a história desse rapaz aqui.

E leia o texto anterior das nossas reflexões aqui

“Continuo ‘pensando com meus botões’ sobre os aprendizados que tiro com a vida de William. 

Durante o processo de ter agarrado com força a chance de testemunhar a Cristo na Universidade e depois de ter ouvido a voz de Deus o chamando para o campo missionário, Borden levou um choque que talvez você já tenha levado: perdeu o seu pai.  

Acredito que a dor que William sentiu foi intensa. O choque de perder um familiar abala nossas estruturas e só o Senhor pode nos consolar verdadeiramente. 

Mas além de perder o pai, uma pressão estava sobre ele: antes de falecer, o pai havia coagido William a desistir de ser um missionário entre muçulmanos na China e agora a sua família e outros empresários esperavam que ele assumisse o papel do seu antecessor. 

Fico me imaginando no lugar de Borden. O que eu faria com tantas responsabilidades e dinheiro em minhas mãos? E o chamado de Deus para IR? 
Ele decidiu ir para o seminário apesar de toda a pressão sofrida. Ele preferiu não usufruir os prazeres das riquezas e do poder terreno, pelo contrário, quis subverter a ideia de ser alguém aqui no mundo para agradar a Deus. 

My ImageNão sei você, mas muitos gostam de fazem chantagens emocionais. Vejo muitos exemplos de casos de pessoas que tentam coagir seus companheiros por meio dos dramas clássicos: “seu pai iria ficar muito decepcionado”, ou então “e se você perder um parente enquanto você estiver fora?”. 

A você que está lendo este texto: se você tem convicção do chamado que o Senhor está te fazendo, não olhe para trás. “No retreat.” 

Aquela Bíblia de William deve ter sido encharcada de lágrimas ao longo da sua vida: quantos motivos para chorar, quanta pressão nos ombros, quanto sacrifício! 

Mas estar no centro da vontade de Deus é o melhor lugar, sem sombras de dúvidas.

Mesmo que absolutamente todos – TODOS - até sua família, aqueles que você tanto ama, lutem contra seu chamado: não atenda ao pedido deles. Faça como William: não olhe para trás e não desista do futuro que Deus tem reservado para você. 

Lembro-me, com isso, de Lucas 14: 

"Se alguém vem a mim e ama o seu pai, sua mãe, sua mulher, seus filhos, seus irmãos e irmãs, e até sua própria vida mais do que a mim, não pode ser meu discípulo. E aquele que não carrega sua cruz e não me segue não pode ser meu discípulo.” 
Lucas 14:26,27 

Que texto complicado de ser lido! Mas quanto amor nessas palavras de Cristo; Ele nos relevando sua sincera vontade.
Que O amemos mais do que tudo e apesar de tudo. 

Que sejamos discípulos autênticos. Não olhe para trás; olhe para Cristo. 

De uma jovem aprendendo a não olhar para trás.” 
 
Gostou de nossa terceira reflexão baseada em William Borden? 
Continue acompanhando nossos textos e compartilhe este com seus amigos!