Ore pelos Uyghurs chineses

17/09/2018 12:30:00

Eu gastei um dos meus verões da faculdade atravessando uma cidade no noroeste da China, guiado pelo meu colega de quarto chinês que ficou junto comigo.

 

Nós comemos xigua (melancia), bebemos chá açucarado chamado san pao tai, e conversamos sobre como é ser discípulo de Jesus Cristo. No final do verão, meu colega de quarto decidiu seguí-Lo.

 

Visitamos uma mesquita como parte desse programa de intercâmbio cultural de verão. Antes da viagem, nunca imaginei que a China iria me oferecer minha primeira visita a uma mesquita. Eu simplesmente não sabia que a China tinha muçulmanos - aproximadamente 30 milhões, na verdade. Isso é maior que a população do Texas.

 

Um dos maiores grupos muçulmanos da China são os Uyghurs, muitos dos quais moram em Xinjiang, uma vasta região montanhosa, deserta e com diversos oásis no noroeste da China. Por décadas, eles sofreram pressões do governo comunista Chinês, já que exerceram um controle cada vez maior sobre a região.

 

Recentemente, este controle tem crescido tão fortemente que chamou a atenção do mundo.

 

Um milhão de Chineses Uyghurs tem sido enviados para campos de concentração em massa.

 

Em agosto de 2016, o recém nomeado secretário do partido comunista de Xinjiangs começou a instituir políticas rígidas e aprovar regulamentações para privar os Uyghurs dos direitos religiosos e liberdades culturais mais básicas. Barbas compridas e véus faciais são agora proibidos. Até mesmo o ato de rezar levanta suspeitas.

 

Em recentes repressões, cerca de um milhão de Uyghurs foram detidos. Eles são enviados para campos de concentração em massa - centros fortemente vigiados com portas fortificadas e arama farpados. Dentro dos Campos de concentração, os detidos devem suportar condições de vida insalubres, má nutrição, violência e tortura.

 

O regime comunista nega a existência de Campos de concentração. Autoridades insistem que são centros de educação política, criados para lutar contra o extremismo religioso e o terrorismo.

 

Críticos, no entanto, dizem que os campos refletem uma política estatal de genocídio cultural e uma tentativa de apagar a identidade cultural de 12 a 15 milhões de Uyghurs.

 

Louvamos a Deus pelas centenas de Uyghurs que - no meio de um verdadeiro inferno - encontraram a esperança eterna em Jesus Cristo e colocaram sua fé Nele. Esses são crentes fiéis que estão sofrendo.

 

Por favor, junte-se a nós em oração pelos Uyghurs.

 

Pedidos de oração:

 

  • Ore pelo fim das políticas que criminalizam a identidade e a cultura dos Uyghurs;
  • Levante aqueles que estão detidos e ore por sua libertação e reunificação com os entes queridos;
  • Peça a Deus que envie mais trabalhadores para mostrar aos Uyghurs a  esperança de Cristo;
  • Ore para que a Igreja Chinesa fique horrorizada com a injustiça e fortaleça a visão de alcançar seus vizinhos muçulmanos;
  • Ore para que este assunto generalizado à identidade Uyghur leve a um questionamento sem precedentes de antigas suposições religiosas, e uma abertura para as respostas encontradas no Evangelho e um desejo de conhecer o Salvador.

 

Escrito por: Katie Beck.

Retirado de Frontiers USA.

Texto original: https://frontiersusa.org/blog/pray-chinas-uyghurs/